Skip to main content

Posts

Tinha de cá vir

Coloquei uma música...
Pensei e repensei.. no que eu poderia dizer sobre esta situação e neste único espaço eu sou eu mesma, onde eu guardo datas importantes
E hoje é uma data importante
A data de uma nova esperança
Depois de tempos difíceis é bom ter uma pontinha de esperança
Onde me agarrar
Onde me perder
Mais uma vez fui salva
Depois de uma segunda feira onde senti que me fecharam a porta na cara e me deixaram do lado de fora com as minhas malas todas aos pés
Malas cheias de degosto, rancor, mágoa
Surge a esperança uma porta próxima que se abriu pra mim
Uma mão que me puxou para dentro, que abrigou o meu coração
Mais uma vez não me deixou desamparada. Obrigada
Eu não sei agradecer, eu não sei reconhecer
Mas obrigada a esta força tão importante que me salva e mais uma vez
Abriu-me caminho para poder seguir em frente.
Recent posts

Ignorância (?)

É interpessoal-mente irritante
Os estigmas e as loucuras que a nossa
Sociedade
Ainda nos leva a cometer!
O quão ignorantes nos obriga a ser!
Uma sociedade que cospe e faz cuspir no prato!
Ser automático odiar e arranjar culpados
Para os fins!
Uma sociedade que não assume culpas.
Tenho de odiar frontalmente
E têm de me odiar a mim
Porque não deu certo
Secretamente não guardo rancores
Secretamente sou culpada
Secretamente o meu coração não esquece!

Dream

Quando simplesmente sabes que estás viva,
Como nunca
Onde nada na vida é mau o suficiente.
Aprendemos
Sobrevivemos
Sempre à espera de dias piores
Ou melhores.
Nunca tens o que sonhas
Mas,
Nunca sonhaste com o tens.
E aprendemos felicidade
Desse modo.
Inesperado
Vivendo sonhos
Esperando nunca acordar
Porque nunca queremos acordar de sonhos bons.
Sonhar com a vida
Sonhar a dois
Por três
Sentir o sonho
Dar-lhe asas
Dar-lhe vida.
Dá-nos vida!

E não há meio de eu abandonar isto..

De vez.
porque eu nunca fui social e,
porque adoro despejar aqui e 
ler e reler o quão idiota sou
e sempre vou ser.

porque não há mais ninguém que me entenda
como eu mesma.
Vivo bem com isso
porque não há melhor lugar para preencher a minha solidão
que este minúsculo mundo de
ler e escrever
tudo o que não muda em mim.

então eu vou e volto
à procura de segurança que não existe em lado nenhum
tudo o que aqui deixo não faz bem a ninguém,
só a mim
também vivo bem com isso
ou pelo menos tento.

"Viver (mais) devagar"

Vou encontrar muita gente
pela minha vida fora que terá
sempre as palavras certas para me dizer.
Porém, já aprendi que a vida não é feita
dessas palavras certas,
a vida vai-se fazendo entre as minhas 
e de outréns ações que acabam 
por ser pequenos salvamentos
de mim mesma.
Mas a vida mostra-me que palavrascertas
e boas ações nunca vêm da mesma pessoa.
Acabo só.
Sempre , aquelas palavras deixam de fazer sentido
aquelas ações deixam de fazer diferença.
Ninguém fica. Nada tem significado no fim.
Serei sempre eu comigo. Sozinha.
Como estou neste momento.
Sou tão complicada como a estrutura deste post.
Destruturada. Incapazes de me compreender
a vida assim segue, 
novamente,
naturalmente.
Sozinha. Incompreendida,  que se foda.

Looking For Alaska - John Green

Querida Alaska Young,
Quem me dera que não fosses tão impulsiva. Que naquela noite, perdida de bebada, não tivesses pegado naquele carro. Quem me dera que não tivesses saído do labirinto assim.
Quem lê À Procura de Alaska e não dorme a pensar no assunto.. nem é gente. Uma escrita tão intima, um retrato da instabilidade adolescente, da trovoada que um dia também já me passou pela cabeça.
Um livro que me fez pensar em todas as asneiras que eu já dei vida... dentro da minha vida. Um livro que me fez perceber que sim, o nosso cérebro realmente divido os capitulos da nossa vida em Antes e Depois muito dolorosos. Gostava de te ter conhecido pessoalmente Alaska e dizer-te que a tua existência era tão importante. 
Não consigo ultrapassar a leitura deste livro nunca. Um obra fantástica.

"Queria ter júizo mas, tenho sempre mais saudades"

Recebi uma imagem com esta frase. 
Não foi o mais certo mas, pensei em ti.
Em como tenho a minha vida constituida mas, penso em ti.
Em como já não fazes parte da minha vida mas, estás tão presente.
Em como somos tão deconhecidos mas, conhecemo-nos tão bem. 
Tenho sempre mais saudades de ti do que qualquer outro sentimento dentro de mim.
E não estou bem.
Porém, sempre disseste que se nos faz feliz não está errado, será?
Não sei porque me sinto tão consumida por dentro ultimamente.
Um vazio inconsolável.